TRILOGIA BITCOIN PARTE 2 - Segurança dos Bitcoins - blockchain e fraudes


PorLahis Kurtz- Postado em 11 setembro 2016

Créditos da postagem: Lahis P. Kurtz, Mayumi Arimura, Thábata Clezar de Almeida, Victor A. de Menezes

Clique aqui para ler a parte 1!

 

Recapitulando: Bitcoin permite transmitir informação digital de A para B. Como saber que A não copiou a informação e agora tanto A quanto B têm cópias idênticas do Bitcoin que deveria ter sido transferido?

 

Fonte da imagem

 Resultado de imagem para blockchain 

 

Como funciona a criptografia das Bitcoins (blockchain, chave privada e pública)?

Para começar: todo mundo que usa Bitcoin tem uma identidade no sistema. Tipo o meu endereço Bitcoin. Esse endereço é a minha chave pública. Essa chave não tem dados de identificação de quem é o dono da conta. No sistema bancário, a chave pública equivale ao número de minha conta corrente. A pessoa que vai transferir o dinheiro usa a chave privada. No sistema bancário, equivale à senha de sua conta.

Para receber dinheiro, é preciso ter a chave pública; para movimentá-lo, é preciso da chave privada. A chave privada garante que eu sou eu.

Já a blockchain pode ser simplificada assim: cada transação engloba todas as anteriores, com dados de chaves públicas, informação transferida, data e hora da transação; cada nova transação valida a anterior.

Todos os usuários de Bitcoin têm, via suas contas, acesso ao livro-razão de transferências, um histórico de tudo e todos naquele aplicativo - criptografado e legível por máquina. São vários blocos com problemas matemáticos criados a partir da solução do problema matemático do bloco anterior.

 

É possível burlar a blockchain?

Não. Bem, sim... mas a probabilidade é muito ínfima. Vejamos:

 

Primeira hipótese: seria necessário forjar um histórico de todas as transações anteriores até aquele momento com os dados fraudados sobre sua conta ou de outras pessoas. Seria necessário obter resultados matemáticos nesse histórico forjado de forma que, ainda assim, aqueles dados fizessem sentido, para as máquinas, dentro do histórico global que todos têm armazenado em suas contas. A maior ameaça nesse sentido é a computação quântica, tecnologia que permite decifrar qualquer criptografia atual e chupar cana ao mesmo tempo. Por enquanto, está mais no plano das ideias, mas tem potencial gigante para causar dores de cabeça não só a quem usa Bitcoins mas a usuários de tudo que é eletrônico.

 

Segunda hipótese: corrompendo a maioria dos usuários (conseguindo as chaves privadas deles - via falha humana) e inserindo na versão deles do livro-razão um histórico falso, de forma que o consenso sobre as operações anteriores fosse dominado por essa maioria com o livro-razão forjado que me atribui Bitcoins que não são meus.

 

Terceira hipótese: essa é mais desesperadora. Digamos que você conseguiu se aliar à metade dos usuários de Bitcoin e vocês estão em conluio. Forjaram uma nova versão do Bitcoin na qual vocês têm Bitcoins a mais do que na original. É evidente que os outros 49% dos usuários do Bitcoin, quando descobrirem isso, abandonarão o sistema e aí vocês se verão donos de uma moeda que já perdeu praticamente metade de seus usuários. Quanto será que ela vale agora? Os defensores do Bitcoin dizem que isso seria análogo a uma medida de autodestruição da comunidade Bitcoin e, portanto, não ocorreria.

 

Outro risco (a ser melhor abordado na parte 3 deste Especial Bitcoin) é se a pessoa fornece sua chave privada para uma operadora de carteira (wallet), a qual pode ser hackeada e ter todas as chaves privadas furtadas. E aí existe o problema de, diferente das instituições bancárias, o Bitcoin não possuir seguro em caso de furto ou roubo de chave privada. Se perdê-la, o acesso àqueles Bitcoins se perde para sempre - para qualquer pessoa (como lágrimas na chuva…).

 

E, para o encerramento deste especial de 3 posts, semana que vem trataremos um pouco sobre Bitcoin no cotidiano: como lidar com contratos e tributação? Bitcoin é usado por quem? O que mais podemos fazer com essa tecnologia?

 

 

Links sugeridos e consultados para elaboração da trilogia bitcoin:

Matéria escrita em português - Tudo sobre o bitcoin

http://gizmodo.uol.com.br/tudo-sobre-o-bitcoin/

Post do grupo de pesquisa GNet (UFMG) sobre blockchain

http://irisbh.com.br/blockchain-e-um-futuro-descentralizado/

Podcast com representante da Fundação Bitcoin Brasil explicando o que é, como funciona a transação, criptografia e blockchain

http://multimidia.ufrgs.br/conteudo/frontdaciencia/Fronteiras_da_Ciencia-T06E02-Bitcoin1-09.03.2015.mp3

Podcast discutindo aspectos de segurança da informação e descentralização do Bitcoin

http://multimidia.ufrgs.br/conteudo/frontdaciencia/Fronteiras_da_Ciencia-T06E04-Bitcoin2-23.03.2015.mp3

Post em português sobre bitcoin

http://projetodraft.com/bitcoins-voce-ainda-nem-sabe-direito-com-usar-e-ela-ja-e-uma-das-moedas-mais-procuradas-do-mundo/

O que são Altcoins? Quais as mais promissoras a longo prazo? Onde comprar?

https://www.bitcoinnews.com.br/altcoins/como-comprar-altcoins-e/

Deve o governo regular bitcoins? Riscos e limites no uso de moedas virtuais privadas.

http://www.brasil-economia-governo.org.br/wp-content/uploads/2015/01/deve-o-governo-regular-bitcoins-riscos-e-limites-no-uso-de-moedas-virtuais-privadas.pdf

A falácia do caráter deflacionário do Bitcoin

https://steemit.com/deflacao/@ndvo/a-falacia-do-carater-deflacionario-do-bitcoin

A segurança por trás do Bitcoin

https://bitcoin.com.br/criptografia-a-seguranca-por-tras-do-bitcoin/

Valor do Bitcoin despenca após roubo de R$250 milhões

http://www.tecmundo.com.br/bitcoin/108017-valor-bitcoin-despenca-roubo-r-250-milhoes.htm

Postagens do Victor aqui no portal sobre blockchain em eleições e uma introdução ao Bitcoin